It’s knowledge, baby

Welcome to the jungle!

Sentimentos

Sentir. Sentir é provar do néctar da vida, é a essência da vida. O sentimento é verdadeiro, não quando apenas falado ao leu para acalentar corações sofridos e/ou desejosos de belas palavras, mas sim aquele que alimenta a alma e aquece o coração. O sentimento verdadeiro ultrapassa barreiras, ultrapassa condições financeiras, distância, tempo…

Aprender a viver é também aprender que sentimento não só trás alegrias, trás também saudades de um tempo que não volta, trás emoções um dia sentidas, trás realidade um dia vivida, trás átona o sentimento outrora vivido. O sentimento, ao qual me refiro, pode ser chamado de amor, por uns, de paixão, por outros, de carinho, por alguns, e de cuidado, por aqueles mais arredios por palavras mais emotivas.

Sendo o que for, hoje eu só quero sentir, quero saber que estou vivo e que vivi emoções/situações que valeram a pena estar vivo. E quero mais. Quero que as pessoas a quem eu tive algum sentimento que elas compartilhem desse meu querer: Que vivam! Que sintam! Que sejam felizes! =)

setembro 14, 2012 Posted by | Textos | , , , , | Deixe um comentário

Compartilhar conhecimento é necessário!

Sempre estive presente em discussões sobre software livre e software proprietário, e cheguei até a comentar que esse tipo de discussão é algo como discutir o sexo dos anjos. Mas, por fim, entendi que este são dos lados que DEVEM co-existir, é necessário ter as duas visões (ou mais) do mundo. Contudo, defendo veementemente a cultura livre, o dever do compartilhamento de informações, a responsabilidade social e a possibilidade de ajudar o próximo com o conhecimento produzido.

Transmitir/compartilhar conhecimento, para muitos, está relacionado a atividade docente, contudo, para realizar tal ação basta que você tenha boa vontade, algum tempo livre e vontade de aprender. Mas porque vou “perder” meu tempo produzindo conhecimento para alguém que eu, muitas vezes, nem conheço? Para essa pergunta, só tenho a dizer que o prazer de produzir conhecimento, de poder ajudar e ver o crescimento intelectual de alguém, não tem preço. Aos que já tiveram essa oportunidade, sabe bem o que é isso.

Saindo um pouco da esfera filosofica do ato, imagine se Santos Dummont não tivesse compartilhado o conhecimento sobre como fazer um avião voar? E se o conhecimento médico fosse particular? Se só apenas um médico ou grupo tivesse o conhecimento do tratamento da AIDS? Se seu pai/mãe decidisse não compartilhar com você as experiências e aprendizados vividos por ele? A humanidade cresceu e evoluiu através do conhecimento produzido e compartilhado.

Resolvi escrever este post numa forma de tentar motivar a produção e compartilhamento de informação e também pra mostrar que conhecimento não tem validade, pois tenho algumas palestras/mini-cursos divulgados no slideshare e, apesar de antigas, recebo com uma certa frequência e-mail de pessoas que desejam tirar alguma dúvida sobre as informações ali contidas. Qual não foi minha surpresa que ao rever alguma dessas palestras/mini-cursos, percebi números bastante interessantes:

  • Aula: “Gerenciamento de qualidade do projeto
  • Ministrada para a disciplina de Gerenciamento de Projetos, do curso de Sistema de Informação do IFAL em 2009
  • 9613 views e 282 downloads

Isso me deixa muito orgulhoso por perceber que o material/conhecimento que EU fiz/produzi está servindo de base/complemento para o aprendizado de milhares de pessoas! Não é legal? =)

Observação: Isso não cabe apenas para a área de informática/computação NÃO pessoal, independente de qual for sua área, TEM alguma forma de poder compartilhar seu conhecimento, suas experiências e os desafios enfrentados, até na mesa de um bar, em uma conversa informal! (Me chama, que eu adoro todo e qualquer tipo de conhecimento! =) )

Faça a sua parte! Try something new today!

agosto 26, 2011 Posted by | Computação | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Momentos

Momentos.

A vida é feita de momentos,
A vida é feita de fragmentos
Não é uma história sem fim
Não existe apenas um ponto final

.

A vida é hilária, é triste, é vaga
Mas esta mesma vida é chata, é alegre e é completa
Mas como pode ser tão antagônica?
Como pode ser tão incerta?

.

Engana-se os apaixonados que seu amor é eterno
Engana-se os solteiros que sua solidão é eterna
A vida é feita de momentos
A vida é feita de fragmentos

.

O seu casamento não é eterno, aproveite os fragmentos
Os seus pais não são eternos, aproveite os momentos
Os seus filhos não são eternos, aproveite os fragmentos
O seu trabalho não é eterno, aproveite os momentos

.

Aprenda a valorizar o momento agora
Aprenda que o que realmente importa é o caminho
E não o objetivo, este é apenas um fruto, um resultado

.

A vida é completa quando é cheia de erros
Cheia de aprendizados,
Cheia de momentos tristes e alegres

.

A vida é completa, quando vivemos suas partes
Quando apreciamos suas imperfeições
Quando apreciamos suas incertezas

.

Lembre-se que o próximo momento, pode não vir
O próximo ponto final, pode ser o último.
O próximo momento, pode não ser o planejado
A sua vida não pode ser a próxima!

Marco Rosner

Nota do autor:

Não fiz isso como um poema, um conto, uma música, apenas fiz. Não me importa o que é, me importa como foi feito, queria um texto e saiu “isso”! Espero que gostem! =)

Try something new today!

agosto 24, 2011 Posted by | Textos | , , , , | 2 Comentários

Dicas #2: Destravando a Wireless no Linux

Pessoal,

Para quem achou a última dica muito noob, aqui vai uma mais elaborada que tinha postado em Fevereiro deste ano no meu buzz e já passei por ela de novo e, infelizmente, não encontrava, nem lembrava de cabeça =/ (por isso que ela ta vindo pra cá, também, para recordações futuras).

Uma das vantagens de usar Linux é não ter que reiniciar o sistema operacional, coisa que acontece recorrentemente no Windows (#EPICFAIL). Porém nem tudo é um mar de gelo na terra do Pinguim, inexplicavelmente a minha placa de rede wireless travava e ficava sem funcionar, geralmente, após um uso constante da mesma. Me forçando a usar o modo windows de resolver problema: reinicar a máquina e tudo certo! Contudo, isso não é o modo certo, não no Linux! Então deixei a preguiça de lado e fui estudar o caso, para saber como reiniciar os módulos da minha placa de rede wireless.

Primeiro, você tem que identificar qual o módulo wireless que o kernel do seu Linux utiliza, para isso:

$ lsmod

Nesta página você pode encontrar os módulos wireless que o kernel do Ubuntu oferece suporte. Já na página, você deve identificar qual o fabricante do seu módulo wirelesse (primeira coluna a esquerda) e, após isso, qual o nome do módulo correspondente a sua placa. Caso vocês não tenham essa informação, vale confiar no seu sexto sentido, qualquer coisa com um “w” já tem chances de ser o módulo wireless. Para os que tem notebook Dell (que usa, em geral, os hardware da intel), os principais módulos são:

  • Intel Pro Wireless 2100 (ipw2100)
  • Intel Pro Wireless 2200 (ipw2200)
  • Intel Pro Wireless 3945 (iwl3945)
  • Intel Pro Wireless 3945 (ipw3945)
  • Intel Wireless WiFi Link 4965AGN (iwl4965 and iwlagn)
  • Intel(R) Wireless WiFi Link AGN 5100, 5300 and 5350 (iwlagn)

Após identificar, você deve executar os comandos:

$ sudo rmmod <nome(s)_do(s)_módulo(s)_visto_no_ls_mod>

e depois:

$ sudo modprobe <nome(s)_do(s)_módulo(s)_visto_no_ls_mod>

Isso deve resolver seu problema, mas, no pior dos casos, resolveu o meu! =)

Abraços!

agosto 2, 2011 Posted by | Computação, Tutoriais | , , , , , , | Deixe um comentário

Dicas #1: Arrumando espaço no Gmail

Boa noite pessoal,

As coisas tem ficado tensa no mestrado e, por isso, o ritmo aqui no blog tem baixado consideravelmente. Contudo, ainda sinto muita vontade de compartilhar algumas informações com vocês e aqui vai uma dica que me ajudou em um problema muito chato.

Sou heavy user do Gmail, não tem como negar. Se estou on-line (e no pc), é certo que haverá uma aba no meu firefox com o envelopezinho vermelho. E este vício não surgiu por acaso, na época que eu participava da ENEC, cheguei a receber 100 e-mails apenas em uma das listas que participava, fora inbox e filters. Enfim, isso me rendeu um problema considerável de espaço no Gmail e, antigamente, resolvia isso apagando os spams, os e-mails impróprios para os mais mais velhos que o Oscar Niemeyer, os e-mails mais antigos (com um aperto no coração, pois tinha e-mails de 2004 =~~~ ), mas, no fim, isso eram só medidas paleativas.

Contudo, hoje descobri alguns parâmetros que podem ser usado na busca por e-mails do Gmail que facilitar a busca por arquivos e, dessa forma, apagar arquivos do tipo PPS, PPT (que, particularmente, eu odeio, mas sempre tem aquela pessoa abençoada que te envia pelo menos uns 2 milhões desse por dia) entre outros.

O uso é simples: <operador>:<descrição>

Exemplos: (basta copiar daqui – um por vez -, colocar no campo de busca do Gmail, apertar entrer e depois selecionar todos os e-mails da busca e, por fim, deletar todos)

filename:PPT

filename:PPS

filename:WMA

filename:AVI

filename:DOC

filename:XLS

filename:ODT

has:attachment

after:<data no formato: aaaa/mm/dd >

befor:<data no formato: aaaa/mm/dd>

Mais operadores podem ser encontrados aqui!

Espero que tenha ajudado. =)

agosto 2, 2011 Posted by | Computação, Tutoriais | , , , , , , | Deixe um comentário

Primeiro ano de mestrado

Pessoal,

Hoje acordei com vontade de escrever e atualizar esse blog, então vamos a um post que estava pendente…

No primeiro post depois que voltei a ativa no blog, fiz um resumão sobre 2010 e prometi um, especial, sobre o meu primeiro ano de mestrado, então aqui está. Meu primeiro ano de mestrado posso dizer que foi um divisor de águas, foi quando realmente eu conheci o que é um mestrado, o que é pesquisa e qual a importância dela. Antes de falar das matérias do mestrado, vamos ao laboratório…

O Embedded, assim como o CEFET/IFAL, virou logo minha primeira casa. O ambiente de trabalho é fantástico, a estrutura oferece um suporte imprescindível à produção e, além disso, o contato com pessoas que estavam/estão fazendo doutorado e os que já estavam no mestrado, foi muito importante para a troca de conhecimento da área acadêmica e para discussões pertinentes à computação.

Nos primeiros meses, paguei 3 disciplinas nas quais me mostraram o que é ciência (e que 99% dos artigos publicados em Computação são “bostas”, segundo Jacque Saúve…”bosta” no sentindo que não seguem os princípios originais da ciência e, sim, os princípios da produção desenfreada), para que a ciência serve e como fazer ciência. Parecem perguntas simples e respondidas com apenas uma frase, mas elas são tão complexas quanto a “Quem é você?”. Com essas matérias (FPCCs =Fundamento de Pesquisa de Ciência da Computação … para saudosismos futuros =) ), bom ou ruim, aprendi a ser *mais* crítico do que já era. Lembro-me bem dos almoços discutindo o português e as besteiras faladas durante o jornal local de Campina Grande. Era hilário. =D

Depois vieram alguns trabalhos para conclusão das matérias, bem interessantes, onde em apenas uma semana tive que mexer em python, c++ e c, além de mais 3 frameworks UPnP (GUPnP, BRisa e HUPnP). Também tive que formalizar o UPnP-UP (padrão fruto da tese do Thiago Sales, atual doutorando do Embedded), que foi bem interessante e com discussões bem interessante, até atualizações do padrão.

Uma atendo especial a matéria lecionada pelo Berto, professor doutor de português, que nos ensinou Metodologia do Ensino Superior, na qual, exatamente no primeiro dia de aula, quando fui apenas pedir pra trocar o horário da matéria pois a maioria dos estudantes estavam chocando o horário e, após resolver o problema de horário, fui convidado para assistir aula. Contudo, já sabia que Berto era bem polêmico quanto suas discussões políticas e, depois de algumas discussões a calouradas, Berto veio com o “convite”: “Se você não gostar dos meus posicionamentos, não precisa nem vir mais, não precisa ficar preocupado com faltas” :D Minha resposta foi: “Que isso professor, já tinha ideia que as aulas seriam assim e ainda vamos discutir um bocado”. Nas aulas seguintes, houveram discussões muito interessantes e choques de opiniões, mas no fim, Berto virou um grande amigo que até hoje envio alguns e-mails sobre política e temos algumas discussões. Saudade dessa época que saia um pouco da computação e ia desopilar discutindo política e sociologia. :D

Após isso, foi desenvolver o projeto de mestrado, lendo milhões de artigos e pensando horas a fio. Ao final, em dezembro, estava apresentando a proposta que estou dando continuidade agora e que pretendo defender em dezembro também.

Como um relato geral, posso dizer que aprendi muito no primeiro ano do mestrado e, o maior deles, foi a experiência e a confiança de que, em computação, não existe um bicho de sete cabeças, existe assuntos e áreas que você ainda não parou para estudar e se dedicou tempo suficiente para aprender. =)

Dicas/Sugestões para quem vai fazer mestrado:

  • Se não gostar de estudar, caia fora!
  • Na área acadêmica, ego é uma coisa bastante cultuada, não se assuste =)
  • Você não escreve bem e seu orientador muda de opinião constantemente sobre seu texto.
  • Você nunca lerá artigos suficientes, se acostume com a ideia.
  • Principalmente durante o primeiro ano de mestrado, ESQUEÇA vida social.
  • E cadê a parte boa? Um dia, se você conseguir terminar, você será mestre e fará o seu papel! ;)

Boa sorte a todos e, no que precisarem de mim, estarei por aqui! =)

julho 13, 2011 Posted by | Mestrado, Uncategorized | | 3 Comentários

For the next 30 days

Tenho assistindo alguns vídeos como o que estou postando pra vocês agora durante minhas aulas de inglês e, além de serem muito interessantes, realmente melhora o inglês. TIP: Watching with subtitle in english ;)

Try something new for 30 days

=( O WordPress não deixou eu publicar o vídeo pra vocês assistirem aqui, então vejam nesse link!

Este vídeo me tocou muito, pois tenho alguns projeto que sempre estou adiando, porque sempre tem um com prioridade maior que está sendo executado. Então a pergunta que fica pra mim quando assisto este vídeo é: “When i will start my the next 30 days?” Someday…someday soon…

Mais vídeos interessantes no TED:

Enjoy it, buddies!

julho 13, 2011 Posted by | Vídeos | , , , | Deixe um comentário

Nordestino

Cultivado entre os cascalhos do chão seco e as cercas de aveloz que se perdem no horizonte, cresceu, forte e robusto, o meu orgulho de pertencer a esse pedaço de terra chamado Nordeste.

Sou nordestina. Nasci e me criei no coração do Cariri paraibano, correndo de boi brabo, brincando com boneca de pano, comendo goiaba do pé e despertando com o primeiro canto do galo para, ainda com os olhos tapados de remela, desabar pro curral e esperar pacientemente, o vaqueiro encher o meu copo de leite, morninho e espumante, direto das tetas da vaca para o meu bucho.

Sou nordestina. Falo oxente, vôte e danou-se. Vige, credo, Jesus-Maria e José! Proseio com minha língua ligeira, que engole silabas e atropela a ortoépia das palavras. O meu falar é o mais fiel retrato. Os amigos acham até engraçado e dizem sempre que eu “saí do mato, mas o mato não saiu de mim”. Não saiu mesmo! E olhe: acho que não vai sair é nunca!

Sou nordestina. Lambo os beiços quando me deparo com uma mesa farta, atarracada de comida. Pirão, arroz-de-festa, galinha de capoeira, feijão de arranca com toucinho, buchada, carne de sol… E mais uma ruma de comida boa, daquela que, quando a gente termina de engolir, o suor já está pingando pelos quatro cantos. E depois ainda me sirvo de um bom pedaço de rapadura ou uma cumbuca de doce de mamão, que é pra adoçar a língua. E no outro dia, de manhãzinha, me esbaldo na coalhada, no
cuscuz, na tapioca, no queijo de coalho, no bolo de mandioca, na tigela de umbuzada, na orêa de pau com café torrado em casa!

Sou nordestina. Choro quando escuto a voz de Luiz Gonzaga ecoar no teatro de minhas memórias. De suas músicas guardo as mais belas recordações. As paisagens, os bichos, os personagens, a fé e a indignação com que ele costurava as suas cantigas e que também são minhas. Também estavam (e estão) presentes em todos os meus momentos, pois foi em sua obra que se firmou a minha identidade cultural.

Sou nordestina. Me emociono quando assisto a uma procissão e observo aqueles rostos sofridos, curtidos de sol do meu povo. Tudo é belo neste ritual. A ladainha, o cheiro de incenso. Os pés descalços, o véu sobre a cabeça, o terço entre os dedos. O som dos sinos repicando na torre da igreja. A grandeza de uma fé que não se abala.

Sou nordestina. Gosto de me lascar numa farra boa, ao som do xote ou do baião. Sacolejo e me pergunto: pra quê mais instrumento nesse grupo além da sanfona, do triangulo e da zabumba? No máximo, um pandeiro ou uma rabeca. Mas dançar ao som desse trio é bom demais. E fico nesse rela-bucho até o dia amanhecer, sem ver o tempo passar e tampouco sentir os quartos se arriando, as canelas se tremelicando, o espinhaço se quebrando e os pés se queimando em brasa. Ô negócio bom!

Sou nordestina. Admiro e me emociono com a minha arte, com o improviso do poeta popular, com a beleza da banda de pífanos, com o colorido do pastoril, com a pegada forte do côco-de-roda, com a alegria da quadrilha junina. O artista nordestino é um herói, e nos cordéis do tempo se registra a sua história.

Sou nordestina. E não existe música mais bonita para meus ouvidos do que a tocada por São Pedro, quando ele se invoca e mete a mãozona nas zabumbas lá do céu, fazendo uma trovoada bonita que se alastra pelo Sertão, clareando o mundo e inundando de esperança o coração do matuto. A chuva é bendita.

Sou nordestina. Sou apaixonada pela minha terra, pela minha cultura, pelos meus costumes, pela minha arte, pela minha gente. 

Só não sou apaixonada por uma pequena parcela dessa mesma gente que se enche de poderes e promete resolver os problemas de seu povo, mentindo, enganando, ludibriando, apostando no analfabetismo de quem lhe pôs no poder, tirando proveito da seca e da miséria para continuar enchendo os próprios bolsos de dinheiro.

Mas, apesar de tudo, eu ainda sou nordestina, e tenho orgulho disso. Não me envergonho da minha história, não disfarço o meu sotaque, não escondo as minhas origens. Eu sou tudo o que escrevi, sou a dor e a alegria dessa terra. E tenho pena, muita pena, dos tantos nordestinos que vejo por aí, imitando chiados e fechando vogais, envergonhados de sua nordestinidade. Para eles, ofereço estas linhas.

Creditado a Sheila Raposo – Jornalista

Colaboração de Chimene Chiara =*

julho 6, 2011 Posted by | Textos | , | Deixe um comentário

Diversão

Como hoje é sexta-feira e o post da série Recomendação de leitura foi adiantado, hoje vou publicar alguns vídeos para animar (ainda mais, hoje é sexta-feira pessoal! =D ) o seu dia!

Agora, ele se fudeu

NinafetaMina

Apesar de longo, vale a pena ver este último vídeo ae! Muito sem noção!

Aproveitem!

junho 17, 2011 Posted by | Vídeos | , , | Deixe um comentário

Eventos Livres

Durante minha graduação participei de muitos eventos de software livre, até organizando algum deles. Foi um tempo muito bom da minha vida onde conheci pessoas que me ensinaram muito e outras que me marcaram pra caramba! Recentemente fiquei saudosista com esses momentos (por estar vendo algumas fotos tirada durante esses eventos), então resolvi procurar algum evento que pudesse ir mas que tivessem haver com a minha área. Uma colega minha (Valeu Raissa! =) ) procurou, com um certo trabalho, mas nenhum pude ir.

Dias depois, recebo em uma das listas que participo a divulgação de um evento que estava hospedado no site Eventos Livres. Então fiquei encantado com a iniciativa e estou aqui pra divulga-lo!

O Eventos Livres é um portal para divulgação da agenda de todos os Eventos, Workshops, Seminários, Encontros e Congressos com foco em Software Livre, Soluções Abertas, Open Source.

Divulgue aqui os eventos de sua cidade com as vantagens abaixo:

  • Divulgação mensal em várias listas e comunidades de Software Livre do Brasil.
  • Espaço para comunicados importantes, chamada de trabalhos, etc.
  • Sistema de inscrições para os participantes(sob consulta).
  • Sistema para submissão de palestras(sob consulta).
  • Sistema para emissão de certificado eletrônico para os participantes(sob consulta).
#######

Aos meus amigos que frequentam eventos de software livre, essa é uma boa fonte de procura de bons eventos em todo o Brasil.

Àqueles que organizam eventos, alimentem essa iniciativa brilhante!

Aos idealizadores, meus sinceros parabéns e muito sucesso! =)

junho 16, 2011 Posted by | Colaboração, Computação | , , , , , | Deixe um comentário

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.